Por Carlos Ribas

“A Universidade Federal da Bahia e todas as demais universidades públicas vêm sofrendo ameaças e cortes reais no orçamento que sucatearão, em breve, essas instituições, que integram a nossa maior política de reparação das desigualdades sociais e que permitem a jovens de famílias pobres, como eu, alcançarem a titulação máxima de membro de uma academia científica.”

Preocupada com o futuro da universidade e da pesquisa no país, a professora do Instituto de Saúde Coletiva Vilma Souza Santana tomou posse como Membro Titular da Cadeira número 4 da Academia de Medicina da Bahia (AMB). A solenidade virtual de posse foi realizada no dia 27 de maio, a partir da Faculdade de Medicina da UFBA no Terreiro de Jesus. O presidente da AMB, Antonio Carlos Vieira Lopes, compartilhou da mesma preocupação da empossada, manifestando-se contra o corte de verbas para as universidades federais e para as pesquisas de ponta.

A mais nova integrante da AMB é professora graduada em Medicina da turma de 1974, com mestrado em Saúde Pública (1978) pela Universidade Federal da Bahia. Obteve o título de PhD em Epidemiologia pela University of North Carolina (1993), onde também realizou pós-doutorado em Epidemiologia Ocupacional (1998). Vilma Santana é professora titular do Instituto de Saúde Coletiva da UFBA e credenciada como Adjunct Faculty Abroad na University of North Carolina, onde também foi colaboradora do Injury Research Prevention Center.

A pesquisadora atua na área de epidemiologia da saúde do trabalhador, desenvolvendo pesquisas sobre determinantes da saúde no trabalho, acidentes de trabalho, trabalho da criança e do adolescente, emprego em serviços domésticos e na construção civil, avaliação de programas, custos com agravos ocupacionais à saúde, discriminação racial e a segurança e saúde dos trabalhadores.

O mais recente projeto da professora Vilma envolve as consequências da exposição ao asbesto/amianto no Brasil, um projeto de grande porte, com apoio do Ministério Público da Saúde de Campinas e do Ministério do Trabalho, que acompanhará 375 mil trabalhadores por 30 anos seguidos.

Apresentação

Na apresentação da professora Vilma aos membros da AMB, o professor Aroldo Bacelar, Coordenador de Residência Médica em Neurologia do Hospital São Rafael, lembrou que foi ela quem criou o Programa Integrado em Saúde Ambiental e do Trabalhador (Pisat), que integra a estrutura matricial do ISC desde 1996, tendo se tornado um dos mais importantes núcleos do país especializados em pesquisa, cooperação técnica e ensino da epidemiologia em saúde do trabalhador.

O programa é pioneiro na oferta de ensino a distância e, desde 1999, mantém cursos de especialização em saúde do trabalhador, e mais recentemente também em epidemiologia em saúde do trabalhador. O Pisat é um centro colaborador do Ministério da Saúde desde 2008, mantendo um portal na web com mais de 30 mil acessos. Nesse portal, são disponibilizados bases de dados, boletins epidemiológicos em formato digital e audiovisual, tutoriais de uso sistemas de informações e outros documentos normativos.

Posse

Ao tomar posse, a professora declarou que, como acadêmica, assume a responsabilidade de guardiã da memória dos seus antecessores na cadeira quatro – cujo Patrono é o Dr. Almir de Sá Cardoso de Oliveira – “e de todos os demais que, com honra, passaram e continuam abrilhantando esta Casa”.

“Minha contribuição será, sobretudo, continua, lutar pela permanência do respeito ao legado científico, de valores e princípios que sustentam a ciência e as suas consequências, ontem, hoje e sempre. (…) Por fim, espero poder tratar desse tema, misterioso e sublime – a imortalidade – sonho, desejo, fantasia, mas que fundamenta o ‘para-quê’ desta Casa. Temos uma missão: levar a todos o legado dos nossos antepassados, dos que já nos deixaram, mas suas marcas na passagem entre nós, não. (…) Mas a sua imortalidade reside na imanência do amor ao outro; um pressuposto do exercício do amar, do ato de amar que é o cuidar, proteger, da solidariedade e compaixão, marcas do nosso compromisso ímpar com a ética e a justiça. Que nos deixa quase imortais. Sempre presentes, e para sempre eternos, no quase divino”, afirmou Vilma, no discurso.

Estiveram presentes à posse, Euclides Castilho, membro emérito da AMB; o professor Eduardo Mota, pró-reitor de Planejamento e Orçamento da UFBA; José Valber Lima Meneses, vice-diretor da Faculdade de Medicina da UFBA; Isabela Cardoso, diretora do Instituto de Saúde Coletiva da UFBA. A posse teve ainda presenças de convidados internacionais – Dario Consonni, diretor de Epidemiologia Clínica da Fundação IRCCS – Ca’granda, Osedale Maggiori Policlínico de Milão, Itália; Andrés Trotta, diretor de Pós-graduação da Universidade de Lanús, Buenos Aires; e Julietta Guzmán,  diretora da Saúde do Trabalhador da Organização Pan-americana de Saúde (Opas), Washington D.C. – além de Márcia Aliaga Kamei, procuradora do Ministério Público do Trabalho e coordenadora nacional de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho.