A cada dez escolas de medicina existentes no Brasil, cerca de seis estão localizadas nas regiões Sul e Sudeste do país (58%). Dos 357 cursos de Medicina em atividade em outubro de 2020, 28% estão localizados em capitais (102) e 60% são vinculados a instituições privadas. Essas são algumas das informações que poderão ser acessadas através do painel do Diretório das Escolas de Medicina (Direm), que será lançado nesta quarta-feira (14), às 15h, na sala Z5 do 58º Congresso Brasileiro de Educação Médica (Cobem).

 

A iniciativa é fruto da parceria do Instituto Nacional de Ciência, Tecnologia e Equidade em Saúde (INCT/Inteqs) com a Associação Brasileira de Educação Médica (Abem) e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

 

No lançamento do diretório, estarão presentes o coordenador do INCT/Inteqs, Naomar de Almeida Filho; o diretor vice-presidente da Abem, Sandro Schreiber de Oliveira; a Coordenadora da Unidade Técnica de Capacidades Humanas para  a Saúde da Opas, Mônica Padilha; o coordenador técnico do Direm, Marcelo Dourado, a professora associada da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista (FMB/Unesp), Eliana Cyrino; e a doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/Ufba), Ana Maria Rico. 

 

O webinário também será transmitido ao vivo através do canal da Abem no YouTube (www.youtube.com/c/ABEMNacional).

 

Informações confiáveis

 

O Direm organiza uma série de informações sobre o ensino médico no Brasil e disponibiliza o acesso a partir de três ferramentas: um painel interativo, no qual é possível visualizar geograficamente  e com o auxílio de indicadores o panorama das escolas de medicina do País; um buscador de cursos, em que os usuários poderão encontrar informações detalhadas sobre cada instituição e curso de medicina; e, por fim, uma área destinada para o compartilhamento de informações, a partir de análises críticas produzidas por uma rede interdisciplinar de pesquisadores de diversos centros de pesquisa. 

 

 “A plataforma tem uma estrutura bastante abrangente que permite múltiplas abordagens”, explica, Marcelo Dourado, professor adjunto do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências da Universidade Federal da Bahia (IHAC/Ufba) e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade (PPGEISU/IHAC/Ufba).

 

O diretório poderá ser utilizado para diversas finalidades: candidatos que queiram acesso a informações sobre as diversas escolas de medicina, como vagas, composição do corpo docente e avaliação do curso; pesquisadores, que poderão interpretar, analisar e produzir conhecimento sobre a formação de recursos humanos em saúde; gestores envolvidos com planejamento educacional ou dos sistemas de saúde, que poderão dispor de informação suficiente e atualizada para aperfeiçoar o monitoramento e avaliação do sistema de formação de médicos e apoiar a tomada de decisão. 

 

Assim será possível, por exemplo, planejar melhor a abertura de novas vagas a partir da quantidade de médicos que estão se formando em determinado local, reduzindo a carência de recursos humanos no sistema de saúde. Também será possível acompanhar os indicadores dos processos de avaliação conduzidos pelo Ministério da Educação.

 

Além de informações sobre identificação e funcionamento individual das escolas e cursos de medicina no País, nesta primeira etapa, o Direm disponibilizará dados, em nível nacional, regional e por unidade da federação, sobre o número de instituições, natureza jurídica (pública x privada); taxa de ocupação, concorrência e sucesso; composição dos corpos discentes e docentes e conceitos obtidos na avaliação dos cursos. A plataforma será lançada em versão experimental (beta) e terá suas funcionalidades implantadas até o final de 2020.