Foto: Marcelo Casal - Agência Brasil

Cerca de 36 milhões de pessoas tiveram dificuldade de conseguir trabalho no Brasil no mês de maio. É o que aponta a PNAD-COVID19, pesquisa realizada pelo IBGE em parceria com o Ministério da Saúde. O número abrange tanto as pessoas que procuraram emprego, mas não encontraram, como aquelas que nem chegaram a procurar trabalho por causa da Covid-19 ou por falta de oportunidades na região onde viviam.

Ainda de acordo com a pesquisa, 36,4% dos brasileiros que estavam trabalhando no mês passado tiveram rendimento efetivo menor. A diferença foi de -18,6% entre aquilo que recebiam habitualmente (R$ 2.320) e o efetivamente recebido em maio (R$ 1.899).

Apesar do impacto do isolamento social sobre a economia ser um fenômeno esperado e já identificado em diversos países, é preciso cautela na interpretação deste cenário. É o que avalia Vilma Santana, professora do Instituto de Saúde Coletiva da UFBA. “Não cabe fazer uma discussão do impacto da pandemia e das medidas de controle sobre a economia sem considerar o que se ganhou com as vidas salvas, a redução do número de enfermos e os custos com o tratamento de doentes graves e afastamentos remunerados do trabalho. Não podemos trocar mortes por emprego”, destaca a professora.

Para ela, é preciso olhar para a experiência de outros países que enfrentaram as medidas de distanciamento e garantiram o controle da pandemia antes da retomada da economia. “A China, por exemplo, que tem quase 1,4 bilhão de habitantes, foi o primeiro país a lidar com a pandemia e não chegou a 5 mil mortes. Enquanto isso, Brasil, Estados Unidos e Suécia têm um comportamento errático, sem uma coordenação e uma política consistente”, avalia.

Dados da plataforma “Vidas salvas no Brasil pelo isolamento social”, criada por pesquisadores do Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica da Unicamp, mostram que se mantivermos o isolamento pelas próximas duas semanas (no mesmo nível da última semana), o país poupará uma vida a cada 0.5 minutos. Isso significa 6.945 vidas salvas somente entre os dias 26/06 e 09/07. O sistema é atualizado diariamente e pode ser acessado neste link.

Até o dia 25 de junho, o Brasil registrou 1.233.147 casos de Covid-19, com 55.054 mortos e 649.908 casos de pessoas recuperadas.