Com nota máxima de pós-graduação na Capes, O Instituto de Saúde Coletiva da UFBA é referência internacional na pesquisa em saúde. A excelência conquistada ao longo de 25 anos tem forte contribuição das pesquisadoras mulheres que compõem o ISC desde a fundação. Em matéria especial publicada neste sábado (10), o jornal Correio destaca a atuação de algumas dessas mulheres que se tornaram referência na área da saúde coletiva através do Instituto.

 

A reportagem, assinada pela jornalista Thaís Borges, apresenta as três gerações de mulheres do ISC, representadas, respectivamente, pelas professoras Glória Teixeira, Isabela Cardoso e Joilda Nery.

 

A publicação traz ainda números que reforçam a presença majoritária das mulheres no Instituto. Elas são 73,5% do corpo docente e maioria expressiva entre os estudantes. Dos 138 alunos de doutorado, 93 são mulheres – um percentual de 67,5%. No mestrado acadêmico, são 68 mulheres contra oito homens matriculados, numa proporção de 89,5% de presença feminina. Até na graduação em Saúde Coletiva, elas predominam: dos 195 alunos matriculados, 131 são mulheres.

 

A professora Isabela e uma turma de residentes do ISC: mulheres são maioria entre estudantes e docentes (Foto: Divulgação/ISC)

 

“Nós temos um conjunto de mulheres extremamente produtivas, inclusive bolsistas de produtividade do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). São pessoas com trajetória na pesquisa, no ensino, na cooperação técnica”, disse a diretora do ISC, Isabela Cardoso, à reportagem.

 

Para ler a matéria completa e conhecer um pouco mais sobre a atuação de algumas das nossas pesquisadoras, acesse o link abaixo:

 

Elas são de excelência: mulheres tornam a pesquisa em saúde na Ufba referência