A entrevistada do mês de março do Observatório de Análise Política em Saúde (OAPS) é a médica Jurema Werneck, da Universidade Federal Fluminense, que tem uma longa trajetória de luta no movimento de mulheres negras e pelos direitos humanos.

Na entrevista, ela fala sobre o ativismo das mulheres negras e a falta de políticas públicas para enfrentamento do racismo no Brasil. Diretora executiva da Anistia Internacional Brasil, Werneck destaca também a importância de manter pressão para que sejam dadas respostas sobre a morte de Marielle Franco. A pesquisadora em saúde da população negra critica ainda o apagamento do papel dessa população nas narrativas sobre a luta pelo direito à saúde no Brasil: “O SUS nunca chegou de verdade para essa população.”

Para ler a entrevista completa, clique aqui!