Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Após o fim das eleições, surge o alerta para o risco de lotação máxima dos leitos hospitalares dedicados à Covid-19 na Bahia. A situação deve se agravar porque as vagas de UTI serão disputadas por pacientes de outras doenças graves, como diabetes, câncer e hipertensão, que adiaram os tratamentos por conta do novo coronavírus. O assunto foi tema de matéria especial do jornal Correio publicada no último sábado (5).

Entre os especialistas ouvidos na reportagem, o sanitarista Luis Eugenio de Souza, professor do Instituto de Saúde Coletiva (ISC/UFBA), explicou que muitos procedimentos eletivos foram adiados ou suspensos nas unidades de saúde, o que permitiu maior dedicação aos casos de Covid-19. No entanto, segundo o professor, os pacientes de doenças crônicas não podem mais adiar os procedimentos e estão retomando os tratamentos.

“Mesmo que se volte a suspender novamente esses procedimentos, vai demorar para que se liberem todos os leitos. Acrescente-se que muitos leitos foram desativados. É preciso considerar ainda que os profissionais de saúde que estão na linha de frente estão exaustos e não tem sido fácil ampliar as equipes”, disse o professor à reportagem.

Souza também chamou atenção para os riscos de encontros de fim de ano e a chegada de turistas no verão. “Há notícias de aumento de procura por hotéis e pousadas, de pessoas nas praias. Tudo o que precisa para aumentar a transmissão do vírus”, concluiu.

Durante o pico da pandemia, a Bahia chegou a disponibilizar 2,6 mil leitos para atendimento à população. Parte dessas vagas foram abertas especialmente para os internamentos da Covid-19. Com a queda no número de casos graves nos últimos meses, o Estado reduziu em 30% as vagas de leitos de UTI. Na última segunda-feira (7), o secretário de Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, afirmou que está prevista a reabertura de 170 leitos de UTI, sendo 130 na capital baiana.

Para ler a reportagem completa do Correio, acesse:

https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/leitos-de-covid-19-cairam-30-em-relacao-a-ultima-onda-estado-inicia-reativacao/