A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em colaboração com a Escola de Saúde Pública de Yale, o Instituto de Saúde Coletiva (ISC/UFBA) e a Faculdade de Medicina da UFBA, recebeu uma bolsa do Grand Challenges Explorations, programa financiado pela fundação americana Bill & Melinda Gates. A doação, no valor de US$ 100.000, será usada para promover a descoberta de potenciais surtos de doenças como zika e chikungunya.

O professor Federico Costa (ISC/UFBA), que também é professor da Escola de Saúde Pública de Yale e pesquisador da Fiocruz, é o investigador principal do estudo. Também participa do projeto o professor Mitermayer Reis, da Faculdade de Medicina da UFBA. Para conduzir os testes, a equipe pretende realizar o sequenciamento genético de 160 amostras clínicas de pacientes de duas unidades hospitalares de Salvador.

Cenário

Com quase 3 milhões de habitantes, a região metropolitana de Salvador foi o marco zero para a epidemia de zika em 2015. O clima tropical, o crescimento urbano acelerado e as desigualdades sociais tornam uma área propícia para propagação de patógenos transmitidos por vetores.

Além dos vírus da zika e chikungunya, os pesquisadores já identificaram surtos e grupos de leptospirose e riquetsiose na capital baiana, bem como epidemias meningocócica e de norovírus. A ameaça de outros surtos é constante, uma vez que a febre amarela, Mayaro, Oropouche e muitos vírus da febre hemorrágica são conhecidos por circularem no Brasil.

Por ser um importante centro de transportes e um destino turístico popular, a região tem maior potencial de surtos se não controlados. Segundo o professor Federico Costa, o objetivo do projeto é ser capaz de detectar as causas de doenças infecciosas graves em Salvador, identificar os fatores de risco para a infecção e avaliar os patógenos quanto ao seu potencial de emergir como uma ameaça global.

O programa

O Grand Challenges Explorations (GCE) foi criado para inspirar ideias que busquem soluções para desafios globais persistentes de saúde e desenvolvimento. O processo de concessão é altamente competitivo. Dos cerca de 1.700 pedidos nesta rodada, apenas 56 subsídios foram concedidos em todo o mundo.

Cada beneficiário recebe um prêmio inicial de US$ 100.000. Projetos bem-sucedidos têm a oportunidade de receber financiamento de até US$ 1 milhão. Para serem beneficiadas, as equipes de pesquisa precisam demonstrar uma ideia ousada em uma das sete áreas críticas globais de saúde e desenvolvimento.