Foto: EBC

Os casos de trabalhadores domésticos, e respectivos familiares, infectados pelo novo coronavírus já revelam muito do impacto da vulnerabilidade social sobre a saúde da nossa população. Em uma ampla reportagem sobre o tema, o jornal Correio* conversou com a professora Vilma Santana, do Instituto de Saúde Coletiva da UFBA, que destacou o reflexo da desigualdade social não apenas no contágio, mas também no acesso aos serviços de saúde.

“O acesso aos serviços de boa qualidade e boa cobertura está comprometido e ainda tem a questão da habitação. Quando esses casos começarem a acontecer em comunidades mais pobres e menos favorecidas – onde a urbanização é muito limitada, espaços pequenos, casas coladas umas nas outras, e praticamente não há isolamento e privacidade -, como isso vai ficar?”, disse à reportagem.

Para ler a publicação completa, acesse aqui.