Contribuição foi discutida por cerca de 50 dirigentes e lideranças – Foto: Eduardo Rodrigues

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) lançou oficialmente o documento “Pela garantia do direito universal à saúde no Brasil”, em contribuição aos debates da 16ª Conferência Nacional de Saúde. A apresentação foi realizada na última sexta-feira (02), na sede da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS), em Brasília (DF).

Cerca de 50 lideranças científicas participaram do evento, que contou com a presença do professor Luis Eugenio de Souza, coordenador de pós-graduação do Instituto de Saúde Coletiva da UFBA e presidente da Abrasco de 2012 a 2015, além da professora Erika Aragão (ISC/UFBA), presidente da Associação Brasileira de Economia da Saúde (Abres).

Durante a sessão, o professor Luis Eugenio apresentou os eixos norteadores do documento e destacou a situação atual do país nos cenários político, econômico e também da saúde. “Para nós, a esperança acontece em torno de um projeto, e qualquer projeto nacional de desenvolvimento que exclua a saúde é insuficiente para mobilizar o conjunto da sociedade brasileira”, declarou na abertura.

Luis Eugenio ressaltou ainda a necessidade de consolidação do SUS e a superação da queda de braço estabelecida entre o mercado e as demandas sociais. Ele também reforçou a retomada da ideia de seguridade social, formulada anteriormente pelo Movimento Sanitário, diante do cenário atual. Para o professor, a Conferência é um momento privilegiado para debater projetos capazes de superar divergências e alcançar a unidade entre as forças que ajudam a construir o SUS. “Essas diretrizes podem realimentar a esperança em torno de um novo olhar sobre o desenvolvimento e a Saúde que o Brasil precisa”, concluiu.

A 16ª Conferência Nacional de Saúde é realizada em Brasília até amanhã (07) e reúne mais de quatro mil pessoas, com debates sobre políticas públicas de saúde para o país.

Para ter acesso ao documento “Pela garantia do direito universal à saúde no Brasil” completo, clique aqui.